Suinocultura

Produção livre de antibióticos

A produção livre de antibióticos envolve a implementação de mudanças nas condições de produção

A difusão de antimicrobianos na medicina humana e veterinária nos últimos anos acelerou o surgimento e a disseminação de microrganismos resistentes. Essa situação foi agravada pela falta de investimento no desenvolvimento de novos antibióticos eficazes. A gravidade das consequências é óbvia: estima-se que, a cada ano, infecções resistentes a antibióticos matam pelo menos 25.000 pacientes e custam à União Europeia 1,5 mil milhões de euros em assistência médica e perda de produtividade (1). Para remediar esta situação, muitos países estabeleceram estratégias para conter o desenvolvimento de resistência aos antibióticos com uma perspectiva conjunta: saúde humana e veterinária. Ao mesmo tempo, a crescente sensibilidade da opinião pública aos problemas derivados da resistência bacteriana gera novas demandas por produtos, e uma delas é pela carne de animais que foram criados sem o uso de antibióticos.

É difícil alcançar a produção livre de antibióticos?

A carne de porcos criados sem antibióticos é mais custosa no mercado, e isso tem levado alguns produtores a considerarem sua produção. Mas criar animais sem o uso de antibióticos não é fácil. Muitas fazendas são produtoras há muito tempo e, durante esse período, a sua população acumulou patógenos. O uso de uma nova genética altamente prolífica levou os sistemas ao limite e, em muitos casos, reduziu a qualidade de uma parcela dos porcos produzidos. O desmame precoce dificulta a adaptação a uma dieta sólida. Difíceis condições econômicas na produção animal têm levado a custos menores em todas as áreas de produção: o aproveitamento do espaço é otimizado ao máximo, eles são alimentados para maximizar seu crescimento e, com frequência, são oferecidas as mínimas condições ambientais para manter o custo de energia contido. Frequentemente, os porcos ficam estressados sob essas condições. O estresse vai enfraquecer sua capacidade de resposta imunológica, abrindo as portas para que ocorram processos infecciosos e forçando o uso de antibióticos.

Como produzir porcos sem usar antibióticos

A produção livre de antibióticos não é alcançada simplesmente tomando a decisão de não medicar, mas envolve a implementação de mudanças nas condições de produção. Vamos ver alguns pontos essenciais para ter sucesso:

1. A fazenda, ou pelo menos o fluxo de animais produzidos, deve estar livre de doenças virais, como PRRS (Síndrome Reprodutiva e Respiratória dos Suínos) e Gripe Suína, que ainda carecem de vacinas altamente eficazes.

2. Será imprescindível conhecer em detalhes qual é o estado de saúde da fazenda para poder, desta forma, traçar um programa de vacinação completo que permita conter a maioria dos agentes potencialmente patogênicos presentes. Em alguns casos, onde as vacinas comerciais não estão disponíveis, o uso de autovacinas pode ser uma alternativa, desde que sejam baseadas em um correto diagnóstico e processo de fabricação.

3. O estado de saúde do rebanho deve ser mantido estável. Para atingir esse estado de estabilidade seria preferível produzir seu próprio substituto ou, no caso de adquiri-lo de uma fonte externa, recomenda-se um longo período de aclimatação para que haja tempo suficiente para expor as marrãs à microbiota do rebanho. As porcas da primeira ninhada são frequentemente as responsáveis pela colonização dos leitões (como na infecção por M.hyo). Portanto, o uso de descendentes de porcas multíparas facilitará a obtenção da produção sem o uso de antibióticos.

Resultados de produção para progênie P1 e P2 +
Prole P1P2+ prole
Mortalidade do berçário (%)2.961.52
Berçário ADG (g/day)430465
Custo de medicamentos do berçário (US$)1.370.53
Mortalidade final (%)3.83.25
ADG final (g/dia)795820
Custo final de medicamentos (US$)1.070.77
(2) Adaptado de Moore, C. 2005.

4. A adoção cruzada deve ser considerada uma ferramenta de emergência e, quando necessário, deve ser realizado nas primeiras 24 horas de vida e sempre entre porcas do mesmo lote. A adoção cruzada reduzida (manejo MacREBEL) provou ter um impacto positivo na saúde dos estágios posteriores em surtos de PRRS. Infelizmente, a produção é frequentemente priorizada em relação à saúde, e isso é claramente visto em salas de parto, onde os leitões são com frequência adotados de forma cruzada, independentemente de seu estado de saúde ou o da porca receptora. Foi demonstrado que a movimentação de leitões ou porcas entre diferentes grupos etários é suficiente para infectar um grupo negativo com PRRS ou Influenza (3). Portanto, a decisão de deixar apenas filhotes multíparas como candidatos à produção livre de antibióticos, excluindo os porcos de primíparas, seria completamente inútil se seus leitões já tivessem sido transferidos previamente.

(3) Garrido‐Mantilla et al. (2020)

5. Na utilização de porcas hiperprolíficas, deve-se ter um cuidado especial com os leitões que nasceram com baixo peso, garantindo que recuperem a temperatura corporal com rapidez suficiente após o parto, para que sejam fortes e vigorosos para ingerir o máximo de colostro possível. Os suínos que estão entre os 10% com menor peso não devem ser selecionados para produção livre de antibióticos, pois são eles os que mais sofrem com problemas.

(4) Vidal, A. (2015)

6. O desmame tardio, aos 28 dias ou mais, permite mais tempo para adaptação a uma dieta sólida, reduzindo os problemas digestivos que surgem no desmame.

7. Oferecer de 15 a 20% a mais de área de superfície por animal, bem como mais espaço no bebedouro. Isso reduzirá a competição entre os companheiros de curral e, portanto, também irá diminuir o estresse, garantindo um sistema imunológico mais resistente. Esse espaço adicional também será necessário para separar porcos individuais que possam necessitar de tratamento com antibióticos e que deverão ser corretamente identificados e vendidos no mercado tradicional.

8. Devem ser mantidas as condições ambientais corretas em relação à temperatura ambiente, velocidade e qualidade do ar. É muito comum hoje encontrar condições ambientais durante o berçário ou a fase de crescimento, onde a velocidade do ar ao nível do animal é muito alta. Isso reduzirá a sensação térmica dos suínos e gerará estresse. 9. A prática correta de um sistema all-in all-out (“todos dentro, todos fora”) será fundamental para manter o estado de saúde ao longo do tempo e, para isso, é essencial manter a integridade do lote. Quando o tamanho da fazenda é pequeno, é difícil otimizar o uso das instalações sem ter que recorrer à mistura de animais de diferentes lotes. Nesses casos, a implantação de sistemas de gerenciamento de lotes pode ser altamente recomendável, já que irá aumentar o tamanho do lote, facilitando o uso correto das instalações. Em geral, quanto maior o intervalo de tempo entre os lotes, mais eficaz será o sistema em quebrar a dinâmica da infecção entre as diferentes idades. Mas, para manter a integridade do lote, não basta ter eles bem definidos; boas práticas de biossegurança também devem ser aplicadas para evitar a transmissão de patógenos entre grupos de diferentes idades. O uso de equipamento de injeção específico para grupo, lavagem das mãos entre lotes e troca de botas e macacões são algumas das medidas que devem ser comuns na prática.

9. A prática correta de um sistema all-in all-out será fundamental para manter o estado de saúde ao longo do tempo e, para isso, é essencial manter a integridade do lote. Quando o tamanho da fazenda é pequeno, é difícil otimizar o uso das instalações sem ter que recorrer à mistura de animais de diferentes lotes. Nesses casos, a implantação de sistemas de gerenciamento de lotes pode ser altamente recomendável, já que irá aumentar o tamanho do lote, facilitando o uso correto das instalações. Em geral, quanto maior o intervalo de tempo entre os lotes, mais eficaz será o sistema em quebrar a dinâmica da infecção entre as diferentes idades. Mas, para manter a integridade do lote, não basta ter eles bem definidos; boas práticas de biossegurança também devem ser aplicadas para evitar a transmissão de patógenos entre grupos de diferentes idades. O uso de equipamento de injeção específico para grupo, lavagem das mãos entre lotes e troca de botas e macacões são algumas das medidas que devem ser comuns na prática.

Efeito do AI-AO em doenças respiratórias e produção

(5) Adapted from Scheidt AB, et al. (1995)

10. O all-in all-out será totalmente ineficiente caso não seja acompanhado de uma boa limpeza e desinfecção entre os lotes. A limpeza e a desinfecção devem se concentrar especialmente em pisos e paredes até o ponto onde os animais têm acesso, além de em bebedouros, que muitas vezes são mais difíceis de limpar adequadamente, pois água suja permanecerá neles. Também é importante lembrar que as linhas d’água devem ser desinfetadas entre os lotes, pois os patógenos podem se esconder dentro do biofilme das tubulações, podendo infectar novos suínos introduzidos. O aplicativo, por exemplo, pode usar a formação de biofilme como um mecanismo para sobreviver em linhas d’água (6).

11. Por último, mas não menos importante, é necessário um bom programa de nutrição e alimentação.

A produção sem antibióticos é possível, mas não é fácil e sempre será uma forma mais cara de produzir suínos. Embora os preços de mercado dessa carne sejam mais elevados, será fundamental calcular com precisão os custos e as margens de lucro obtidos, pois surpreendentemente nem sempre são superiores aos obtidos com a produção tradicional.

Referências:

1. Communication from the Commission to the European Parliament and the Council. Action plan against the rising threats from Antimicrobial Resistance. Brussels, 15.11.2011. COM (2011) 748 final. http://ec.europa.eu/dgs/health_consumer/docs/communication_amr_2011_748_en.pdf

2.  Moore, C. (2005). Parity Segregation. London Swine Conference-Production at the Leading Edge, pp. 61-67.

3. Garrido‐Mantilla et al. (2020). Transmission of influenza A virusand porcine reproductive and respiratory syndrome virus using a novel nurse sow model: a proof of concept. Veterinary Research (2020) 51:42 https://doi.org/10.1186/s13567‐020‐00765‐1

4. A. Vidal, 2015. Vall Companys prived trial (1009 animals).

5. Scheidt AB, et al. 1995. The effect of all-in-all-out growing-finishing on the health of pigs. J Swine Health Prod;3(5):202–205.

6. Loera-Muro, VM, et al. (2013). Detection of Actinobacillus pleuropneumoniae in drinking water from pig farms. Microbiology, 159, 536–544.

Newsletter Universo da Saúde Animal

Receba as principais novidades e informações sobre o universo veterinário.