Pecuária

Os sintomas de raiva em bovinos

25 abril 2022

A vacina antirrábica é a única forma eficaz de prevenir as perdas devastadoras causadas pela raiva bovina

De acordo com a Organização Pan-Americana da Saúde, a América Latina tem registrado importantes avanços para eliminar as mortes causadas pela raiva, zoonose que acomete mamíferos. Apesar de a raiva canina ter uma notoriedade por representar a maior parte das transmissões para humanos, é preciso dar a devida atenção para os casos em outros animais. Além de também ter um potencial zoonótico e botar o gado em risco, a raiva bovina também é uma ameaça a outros animais da fazenda, como equinos e, por isso, precisa ser combatida. Saiba os sintomas de raiva em bovinos para combater essa zoonose que chega a ter 100% de mortalidade.

Pecuária 

Saiba mais sobre o portfólio de produtos e soluções da MSD Saúde Animal para Ruminantes.

Raiva bovina é caracterizada por agressividade e paralisia

A raiva é uma doença viral infectocontagiosa que é categorizada em duas principais variantes, uma do ciclo urbano, que acomete cães e gatos, e outra do ciclo rural e silvestre, que afeta principalmente bovinos e morcegos. A segunda causa é a forma paralítica da doença, que dita os sintomas de raiva em bovinos.

Após o contágio, o vírus se dissemina por todo o organismo e afeta principalmente o sistema nervoso central e as glândulas salivares. As manifestações clínicas da raiva bovina passam por três fases: prodrômica, excitativa e a paralítica. A fase prodrômica tem a duração mais curta. Os sinais iniciais duram cerca de dois a três dias e é notada pela hiperexcitabilidade a estímulos externos, como luz e sons. A próxima fase, a excitativa, dura de três a sete dias, e é quando surge a agressividade, o sintoma mais clássico da doença, acompanhado de hiperexcitabilidade. Por fim, na fase paralítica ocorre a paralisia progressiva, que começa nos membros inferiores e se estende até a cabeça. A fase paralítica é percebida no animal pela dificuldade de se locomover propriamente e pela incapacidade de levantar. Quando a musculatura respiratória é paralisada, o animal morre de asfixia. 

Os sintomas citados, relacionados ao sistema nervoso, são os mais clássicos da raiva bovina. Mas a doença também pode resultar em perda de apetite, retenção de urina e fezes, alterações na sensibilidade da pele e audição e reflexo da pupila diminuídos. 

Elaboramos um infográfico para ajudar na visualização dos sintomas, confira:

Vacina contra raiva bovina é a única forma de prevenção eficaz

Por ser uma doença sem cura e com níveis de mortalidade que podem chegar a 100%, a prevenção da raiva é a única forma eficaz de se controlar a zoonose. A prevenção é feita com a vacina antirrábica, que deve ser aplicada anualmente e é indispensável para garantir a saúde dos bovinos, evitar as perdas massivas na fazenda e controlar a transmissão para humanos. A importância é tamanha que em alguns países, como o México, a vacina contra raiva em bovinos é obrigatória.

A raiva tem um efeito devastador no gado e coloca outros animais e humanos em risco de vida. Porém, é sempre preciso lembrar que a fazenda deve garantir um esquema vacinal que abranja a prevenção de outras doenças bovinas sérias, como o botulismo.