Pecuária

Como diminuir a incidência de doenças respiratórias em bovinos

7 março 2022

Para diminuir a incidência de doenças respiratórias em bovinos é preciso investir em práticas de manejo preventivas, como o acesso à nutrição adequada

O Complexo de Doença Respiratória dos Bovinos (DRB) é um conjunto de doenças infecciosas que acomete o sistema respiratório e é assim denominado quando o diagnóstico ainda é incerto. De origem multifatorial, a DRB ocorre por interações diversas de patógenos virais e bacterianos, que estão associados às condições ambientais para seu desenvolvimento.

Esta síndrome traz grandes prejuízos econômicos à pecuária de corte e impacta negativamente o bem estar animal. Além disso, está relacionada à queda de peso médio diário, como demonstrado em um estudo publicado no Journal of the American Veterinary Medical Association, que observou que animais com doença respiratória durante a fase de confinamento apresentaram uma redução de 0,230 kg/dia. Além disso, custos com mão de obra, tratamento e abate precoce também estão associados às doenças respiratórias em bovinos. Diante disso, surge a questão: como diminuir a incidência dessas patologias? Veja a seguir!

Fatores de risco de doença respiratória bovina

O sistema respiratório dos bovinos tem características anatômicas que aumentam a predisposição de quadros respiratórios, como as vias aéreas anteriores estreitas, mas quando os mecanismos de defesa estão funcionando adequadamente, a exposição a agentes infecciosos não resulta em síndromes respiratórias. É o que indica um estudo publicado na Revista Científica Eletrônica de Medicina Veterinária: o aparecimento de doenças respiratórias em bovinos é decorrente de um desequilíbrio entre as defesas naturais do animal e de fatores externos que favorecem a infecção.

O estresse térmico está entre as principais fontes que predispõem o animal a desenvolver infecções respiratórias, conforme apresentado em uma dissertação desenvolvida no Programa de Pós-Graduação em Ciência Animal da UFMG e corroborado por uma publicação do jornal suíço Animals. Outros fatores de risco citados nos estudos incluem estresse relacionado ao transporte, manejo nutricional inadequado, separação materna e doenças concomitantes, como a diarreia e a tristeza parasitária. 

Quando a zona de termoneutralidade dos bovinos é comprometida, o organismo desenvolve mecanismos fisiológicos para compensar as trocas de calor, como o aumento da taxa respiratória. O que configura um fator de risco para doenças respiratórios, pois segundo relata a tese apresentada na UFMG, os bovinos têm a caixa torácica rígida, o que implica em ventilação dependente da atividade do diafragma, predispondo a ocorrência de baixos níveis de oxigênio nos brônquios e alvéolos. 

Prevenção de doenças respiratórias em bovinos confinados

Ainda de acordo com o estudo da Revista Científica Eletrônica de Medicina Veterinária, a prevenção das doenças respiratórias em bovinos depende totalmente do controle dos fatores de risco relacionados. Sendo assim, o manejo preventivo dos bovinos é imprescindível para prevenir picos de estresse animal e, consequentemente, a incidência e a gravidade de problemas respiratórios no rebanho. Alguns fatores estressantes que estão diretamente relacionados com o aparecimento de problemas respiratórios e que, portanto, devem ser eliminados são:

  • Tempo prolongado de transporte; 
  • Currais com grupos mistos de novilhos e novilhas;
  • Currais com animais oriundos de diversas propriedades;
  • Confinamentos com alta densidade animal;
  • Ambientes com alto nível de umidade do ar;
  • Manipulações desnecessárias dos animais;
  • Ventilação e higienização precárias nas instalações;
  • Quantidade de alimentos insuficientes para a nutrição animal. 

No entanto, se as medidas com o manejo preventivo não forem suficientes para conter a infecção, o diagnóstico precoce de doenças respiratórias em bovinos é crucial para evitar que a doença evolua para um quadro grave, podendo diminuir o índice de mortalidade e os custos com o tratamento.
Em síntese, as doenças respiratórias configuram uma importante fonte de perdas econômicas na pecuária, sendo de fundamental importância adotar medidas para evitar o estresse térmico em bovinos e outras estratégias para controlar os demais fatores de risco. Ainda que o sistema respiratório dos bovinos apresente características fisiológicas favoráveis para o desenvolvimento dessas infecções, são os fatores externos que vão determinar a presença de patologias respiratórias.